CRESCIMENTO DA ENERGIA EÓLICA NO BRASIL

Artigo: Energia Eólica cresce no Brasil
Autor:  João Paulo Caldeira

A energia eólica responde por uma pequena parcela do total da matriz energética brasileira (cerca de 0,9%) e o país ocupa somente a 20ª posição no ranking de capacidade instalada. Esse panorama, porém, deverá mudar em pouco tempo, acredita Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), durante a Brazil Wind Energy Conference (BWEC) - evento que debateu, na última segunda (02), em São Paulo, as oportunidades do setor no país.
A visão otimista de Tolmasquim é justificada por diversos motivos. Em 2011, o Brasil foi o 11º país em aumento de capacidade instalada. Além disso, um dos estudos que medem o potencial eólico no país diz que ele está na casa dos 143 gigawatts, equivalente a dez vezes a geração da Usina de Itaipu. O presidente da EPE, porém, acredita que este potencial é muito maior, já que a medição foi feita considerando torres de 50 metros de altura, e atualmente existem altura, e atualmente existem aerogeradores com mais de 100 metros.
Em 2005, o país possuía somente 10 usinas, que produziam 28 megawatts. O grande na época, era o alto custo da energia eólica, que fazia com que perdesse competitividade nos leilões. Em 2009, é feito leilão de reserva, que consegue uma queda nos preços, passando de R$ 306/hora para R$ 105/hora. Em agosto do ano passado, o país tinha 36 parques eólicos com capacidade instalada de aproximadamente 1000 MW. Outros projetos serão entregues em agosto deste ano, e, até 2014, a perspectiva é de atingir uma capacidade instalada de 7 mil megawatts.
Além dos leilões de energia, uma das razões para o aumento da energia eólica no país foi a crise de 2009. Sem os subsídios e financiamentos europeus, muitos investidores voltaram suas atenções para a geração de energia brasileira.
Houve um crescimento também na indústria voltada à produção de aerogeradores. Se em 2009 o país tinha somente duas fábricas, hoje são oito. O problema, aponta Tolmasquim, é que apenas duas dessas empresas fazem toda a cadeia produtiva no país, enquanto a maioria somente monta os componentes.
A consolidação da indústria de energia eólica também é uma preocupação de Elbia Mello, presidente-executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica). Os parques eólicos podem gerar quase 20 mil empregos diretos. Além disso, as terras onde são montadas as usinas são arrendadas de seus proprietários, geralmente pequenos produtores, em áreas com baixa produção agrícola e pecuária.
Ela também aponta o fato de que as indústrias da cadeia produtiva eólica acabam fixando-se em regiões próximas aos parques, por questões de logística.
Outro foco da associação é o incentivo à pesquisa. É necessário o desenvolvimento de uma tecnologia que leve em consideração as diferenças entre os regimes de vento do Brasil, EUA e Europa. Existem, inclusive, diferenças consideráveis na corrente de ventos dentro do país.
Para isso, a ABEEólica está montando uma rede de pesquisa nesse setor, congregando universidades e institutos. Teve início um mapeamento, com visitas ao Rio Grande de Norte, Ceará e Pernambuco.
Antônio Tovar, chefe do Departamento de Energias Alternativas do BNDES, explicou o apoio do banco para os projetos de energia eólica. Segundo ele, este apoio começa somente em 2005, juntamente com o Proinfa (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica), primeiro programa federal a incentivar a instalação de usinas eólicas no Brasil.
Entre 2005 e 2011, o BNDES financiou R$ 6,2 bilhões para a energia eólica e investiu R$ 10,4 bilhões neste tipo de projeto. Atualmente, estão em análise 11 parques eólicos, num total de R$ 1 bilhão em financiamentos e R$ 1,7 bi em investimentos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PEÇA JUDICIAL: CONTESTAÇÃO TRABALHISTA OAB (2015.2) – MODELO DE RESOLUÇÃO

PEÇA JUDICIAL: CONTESTAÇÃO TRABALHISTA OAB (2015.3) – MODELO DE RESOLUÇÃO

PEÇA JUDICIAL: AÇÃO TRABALHISTA DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO – MODELO DE RESOLUÇÃO